1/1

informações

técnicas

LUMINÁRIAS

 

Nossas/As luminárias foram desenvolvidas a partir de técnicas autorais, que foram aprimoradas ao longo de anos de pesquisas e experimentações no ateliê. São feitas com estrutura de metal com pintura eletrostática, revestidas de tecido e Kozo - o papel japonês mais antigo do mundo, utilizado até hoje por sua excelência e propriedades de difusão de luz, resistência e durabilidade.

As luminárias são pensadas e repensadas em todas as etapas, tudo faz sentido e remetem à unidade do projeto. As idas e vindas dos projetos vão afinando as formas e os métodos utilizados. A experiência na oficina associada aos materiais utilizados e suas limitações vão determinando as formas pensadas inicialmente através do desenho. As limitações são super inspiradoras, os limites podem ser transgredidos. 

O protótipo não é apenas uma verificação do croquis, ele deixa claro os ajustes necessários e as vezes a própria impossibilidade do projeto, mas ele sempre revela novos caminhos instigantes a serem percorridos. O desenho vai na direção do controle e é nesse descontrole que podem surgir coisas inesperadas. 

Para a melhor conservação das luminárias, use um espanador ou pano seco e em seguida um pano semiúmido, sem esfregar.

Não utilize produtos químicos.

Evite a luz direta do sol.

Não coloque em ambientes externos.

CUIDADOS COM A PEÇA 

 

OBSERVAÇÕES IMPORTANTES

Todas as luminárias podem utilizar lâmpadas incandescentes, lâmpadas fluorescentes compactas e lâmpadas led bulb.

Não utilize lâmpadas de voltagem diferente da indicada no manual de instruções que acompanha a luminária.

As dimensões das peças podem sofrer pequenas variações.

Dimensões especiais sob consulta

Cores sob Consulta

Uso interno

PAPEL

Trata-se de um dos melhores papéis do mundo. É o papel dos artistas, das gravuras, dos restauros. O papel de fibra de kozo - conhecido erroneamente como papel arroz - existe há mais de 1200 anos. Textos sagrados budistas – sutras – com esta idade, encontram-se absolutamente intactos, sem nenhum indício da ação do tempo. Por ser cultivado em terras vulcânicas, é naturalmente alcalino, o que garante a proteção contra o ataque de fungos e bactérias. Sua fibra vegetal longa, permite que haja um entrelaçamento sólido entre elas conferindo grande resistência e durabilidade ao papel. Esta característica também permite que ele faça parte da própria arquitetura. No Japão este papel é tratado com reverência e é utilizado há mais de mil anos na arquitetura, em biombos e shôjis (pelo que procurei está correto) - portas de correr de madeira e papel. Além de todas estas qualidades, a extração da fibra é feita através de uma poda anual do arbusto - kozo -, que preserva sua integridade, garantindo assim, um processo produtivo sustentável.  

A atmosfera dos ambientes é construída, principalmente, através da luz. A luz permeia a percepção dos espaços, é matéria essencial da arquitetura, dando sentido e ambiência. A luz tem qualidades próprias, ligadas à temperatura, cor, à difusão, a texturas (complementar sobre luz), aspectos que direcionam os projetos. As luminárias do ateliê que desempenham a função de iluminar de maneira poética, por sua forma e pela qualidade da superfície difusora, intrínseca do papel, que permite que a luz se espalhe sem ofuscamento, de forma suave e de grande alcance. O kozo é também conhecido por sua excelência e incrível capacidade de difusão da luz e por isto é muito usado em luminárias.

LUZ